terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Alys - Elemento Alpha

Autor: Priscila Gonçalves
Gênero: Fantasia / Ficção
Editora: Pendragon
Páginas: 382

Alys descobre que tudo o que conheceu e tudo o que sabia durante toda a sua vida era um montão de mentiras. Absolutamente nada era real. Nem mesmo seu nome. De repente, tudo que era sólido começou a derreter, e a personagem nem teve tempo de pensar, ela só pode reagir. Imagine abrir mão de tudo o que você acreditou ser verdade. É de chacoalhar a cabeça de qualquer um, não é mesmo? Pois é. Esse livro é assim, um chacoalhão depois do outro, com direito a portal dimensional e tudo.

Mas vamos por partes:
Alys Silva é uma garota de 16 anos (acho que é isso, mas pode ser 17, sou péssima com esse lance de idade), que vive sob a super proteção paranoica de seu pai. Eles vivem brigando por causa disso. Mas tudo tem um motivo, não é? E o motivo do Sr. Roberto era dos grandes: ele amava demais a filha. Amava tanto que ficou cego pelo medo de perdê-la e tudo o que conseguiu foi meter Alys numa grande confusão, que de certa forma, acaba sendo o eixo central do livro.

Meio tentando entender o mundo novo em que foi parar, meio tentando salvar o pai e meio tentando entender seu papel na história toda, Alys passa por uma série de situações em que sua coragem e sua capacidade de acreditar em si mesma e de confiar nos outros é testada à exaustão.

Como companheiros de jornada ela tem Kyer (seu melhor amigo desde sempre) e Evan, um guardião metido e bocudo, que no fundo, só não quer parecer vulnerável. Claro que ela tem também o mentor Celen (um dos meus personagens favoritos) e a avó Ana para ajudar a segurar as pontas. E acredite, essas pontas são muitas.

A história se passa num mundo que foi tomado por metais e as organizações governamentais separaram os países pelos tipos de metais em comum que tinham e os uniram. A questão é: Esses metais, não são só metais. São uma parte de uma grande profecia que está prestes a se cumprir. E é óbvio que Alys tem um papel nessa bagunça.

Os metais permitiram que os humanos avançassem muito a tecnologia e evoluíssem para cidades com transportes voadores, celulares fininhos chamados de Dim entre outras coisas que com certeza eu devo ter deixado passar.

O cenário é outro ponto forte do livro, com toda sua modernidade "magico-metálica". A autora conseguiu mostrar a tal da era "pós-metal" através dos olhos dos personagens, sem perder tempo com aquelas chatices de ficar 100 páginas descrevendo em que raios de mundo estamos.

Acho que se eu tivesse que apontar alguma coisa que não gostei, foi o lance de ninguém responder nada e ficarem jogando a Alys de um lado para o outro. Teve um momento que senti como se estivesse assistindo uma partida de pingue pongue em que a personagem era a bolinha. O Kiko em mim já estava berrando. “falem, falem logo, vocês me deixam loooooooouca!”.


Alys - Elemento Alpha foi a leitura que fechou o mês de janeiro! (montei um calendário de leitura para o ano, mas isso é assunto para outro post).  E eu não poderia ter escolhido um título melhor para fechar o mês: divertido, emocionante e dinâmico. 

Divertido, pois o humor é uma coisa que se mantém ao longo de toda leitura. Até os personagens mais carrancudos tem sua dose  de graça.

Emocionante por... bem, é dificil falar disso sem dar spoiler. Então confie em mim e vá ler.

Dinâmico: são 41 capítulos que passam voando! E os personagens se completam. A Alys é meio lenta na maior parte das vezes, mas é impossível não se identificar com ela e sua metralhadora de perguntas (Eu ri muito, pois faço isso com frequência)! Hahaha.

Leitura recomendada para quem curte fantasia, humor e essa pegada de "ainda estamos na terra, mas tudo mudou".

Até a próxima folks! \o/
Postar um comentário