quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Pipoca com Mostarda Apresenta: O Fantástico Sr. Raposo!



Boa noite, Queridas Formas de Vida Baseadas em Carbono!!!


Entrando no clima de dia dos pais que está chegando aí, de fininho no final de semana... Trago para vocês uma animação simplesmente única e exemplar: O Fantástico Sr. Raposo! Estava na hora, não é? Minhas últimas sugestões foram sofridas e perigosas de assistir, mas agora trago uma obra livre de grandes traumas emocionais!


Dirigido por West Anderson e lançado em 04 de Dezembro de 2009, a obra foi muito bem recebida pelo público com um elenco bem recheado! Envolvendo, por exemplo, George Clooney como Mr. Fox e Meryl Streep como Mrs. Fox. Desenvolvida com base Stop Motion, a animação é agradável e muito peculiar, prendendo muito a nossa atenção.




Novamente, mesmo sendo uma animação, não é um desenho para crianças pois, de maneira resumida, ele é uma crítica "hard" à nossa sociedade presa a civilização e nos faz refletir se somos mais "humanos" ou mais "animais", colocamos na balança até onde o racional ou o instinto interfere em nossas decisões. Possui linguagem adulta e aquelas "tiradas" de leve teor adulto do qual, em uma sessão família, os pais se entreolham e dão risada e as crianças entendem coisa alguma!

Mas... sem mais delongas, vamos ao resumo da história com um tempero leve de spoiler!! 


A história gira em torno da família Raposo, do qual vivem em uma árvore com suas vidas normais. Mas não foi sempre assim, o Sr. Raposo e a Sra. Raposa costumavam trabalhar com roubo de galinhas em fazendas, porém devido a gravidez da Sra. Raposa foram obrigados a abandonar essa vida perigosa, se instalarem em um lar calmo para fornecerem uma boa vida ao seu filho, Ash (Jason Schwartzman). 


 Logo no começo percebemos a clara comparação com o homem moderno que abdicou de seus instintos e impulsos selvagens para viver em sociedade devido a novas necessidades de sobrevivência, mas que com um processo de humanização tão curto não conseguiu se livrar de todo de seu lado "animal". Ainda mais quando a animação deixa claro que, apesar de seu emprego estável e agradável como colunista do jornal local, o Sr. Raposo nunca deixou de sentir falta da adrenalina e excitação ao se entregar para sua própria natureza e roubas galinhas nas fazendas, arriscando sua pele (literalmente). 

Sabendo de seus impulsos, suas escolhas foram guiadas por elas ao escolher uma toca em uma árvore próxima ás fazendas de Boggis, Bunce e Bean. 
Me pergunto sempre que assisto esse desenho: "Quantas das minhas escolhas foram guiadas instintivamente ou impulsivamente sem eu nem ao menos perceber?"


Voltando ao foco, o Sr. Raposo mantêm suas saideiras nas fazendas roubando galinhas escondido de sua família. Mas é claro que isso ia dar errado e é nesse ponto que a aventura começa! 


Não revelarei mais nada do enredo daqui para frente, não quero estragar a experiência de vocês, apenas direcionei a atenção para as comparações a crítica que o diretor tinha como objetivo expor. 

Afinal... somos tão animais! Somos tão "seres" e por vezes nem tão "humanos", tanto que mesmo tendo a plena ciência disso, não conseguimos evitar! Nnós gostamos do nosso lado animal, selvagem e incorrigível, gostamos de pertencer a isso! Bom... pelo menos a grande maioria. De um jeito ou de outro, depois de um belo banho de realidade cotidiana e civilizada, escapamos, erramos e "caçamos galinhas" para aliviar o estresse de ser esse "ser pensante", de sermos seres humanos.  



Espero que gostem da indicação de hoje! E aproveitem com a companhia sempre querida e amada de um BIG balde de PIPOCA COM MOSTARDA!! 

Até mais, raposinhas e raposinhos!!

 
Postar um comentário