sexta-feira, 23 de outubro de 2015

A Liga dos Artesãos

“Suas Certezas são questionáveis,
o inesperado sempre é certo

e a dúvida não é uma opção.”


Autor: Lauro Kociuba 
Gênero: Fantasia | Ficção Brasileira
Páginas: 269
Editora: -


Eu já disse várias vezes aqui no Barato que não tenho preconceito literário. E aí surgiu a oportunidade de conferir o trabalho de um autor independente: Lauro Kociuba, paranaense gente boa e cheirador de fantasia, criador do universo Alvores. E... bem, foi assim que entrei para a Liga dos Artesãos e não saí mais de lá! XD

O livro nos apresenta Tales, um garoto descendente de elfos e humanos e aprendiz de Aer’delo, um elfo que sonha em trazer de volta a glória de seus antepassados.  Digamos, que ele tem um plano mirabolante para realizar sua vontade. E sobre isso é só o que posso falar.

Depois de uma noite em claro, de olho no General Shkrenee  e de levar um tiro de raspão na cabeça, Tales recebe a visita de um anão chamado Bro-Thum, dizendo que a vida do garoto corre perigo e que eles precisam fugir com urgência.


Com um olho no peixe e outro no gato, Tales aceita a proteção do anão suspeito e o segue por túneis inimagináveis sob a cidade de Curitiba. —  Isso mesmo: Curitiba, capital do Paraná, aqui no Brasil. — Nessa intrincada rede de túneis, o jovem meio-elfo-meio-humano descobre a existência de uma cidade subterrânea. Uma cidade de anões chamada Kur. E é bem aqui que as coisas começam a se desenrolar de verdade e conhecemos um pouco mais do universo Alvores criado por Lauro.



São quinze capítulos curtos, alinhados e certeiros. Aqui e ali, interlúdios para nos situar no tempo e espaço além de ajudar a entender os personagens e o que os movem.
Na Liga dos Artesãos, temos ação, lutas épicas, traços de SteamPunk, personagens clássicos de fantasia e RPG como elfos e anões, numa roupagem nacional e super dinâmica, fora um sem número de referências seja a livros de fantasia, seja a animes.  — Algumas partes me lembraram Evangelion, hehehe —

Essa leitura foi realmente uma experiência digna de nota: Não é segredo para ninguém que recentemente adquiri um kindle. E quando concluí a leitura no formato e-reader, decidi que precisava do livro físico. E não me arrependo de adquirir as duas versões: o livro tem ilustrações estilosas, uma capa linda e assaz enigmática, além das páginas cheirosas!



Meu personagem favorito — E creio que  seja um consenso entre as pessoas que já leram esse livro — é Marcel. Um moço que acreditava ser normal, apenas um cara que fazia música e havia nascido para ser mais um. Só que não. Ele é um bardo e sua música é poderosa, capaz de manipular elementos, inspirar sentimentos e reações em pessoas e outros seres mágicos.

O universo dos Anões é um caso à parte, com as várias classes de características específicas. Fiquei encantada com Dwa-Ella, rainha dos anões. Ela é simpática, forte, guerreira e decidida. Gostaria de saber mais sobre ela, que além de inteligente sabe bater como ninguém!

Uma das cenas mais dantescas, crudelíssimas e malignas do livro é uma passagem perto do final, onde aparece um pobre Troll das Montanhas — uma besta colossal, como dito no próprio livro —  acorrentado no teto de uma sala. Sério, o negócio é de arrepiar.

E depois de ler esse livro e de já ter passado por outros autores nacionais de fantasia, posso dizer com todas as letras: Sim gente, tem literatura de fantasia muito bem feita aqui nas nossas terras! Não se trata de um sentimento “literato-nacionalista”, mas de reconhecer quando um trabalho tem qualidade e características que o tornam único. Resumindo: Liga dos Artesãos não deixa nada a desejar quando assunto é fantasia nacional. E tenho dito. :D

Lauro Kociuba é autor independente e o livro que guia essa resenha é sua obra de estreia, financiada pela plataforma coletiva do Cartarse.  E talvez por isso, talvez não, o projeto gráfico de A Liga dos Artesãos seja tão bacana, saindo um pouco dos clássicos comerciais e apresentando o universo a que se propõe desde o início: Alvores é um universo inteiro. Tão grande que não cabe numa sinopse de contracapa e tão misterioso que é preciso dar um voto de confiança e ir além do símbolo marcado na capa. Simples assim.


Claro que, se tratando de um livro de estréia, não está perfeito. A partir do Capítulo "Vapor" tive a impressão de que os capítulos ficaram mais corridos. Sem contar que, desse mesmo capítulo em diante,  percebi várias repetições de palavras. No entanto, o universo é bem consistente e o livro é bem feito, com uma narrativa que busca MOSTRAR o que está acontecendo ao invés de simplesmente descrever. E acredite, isso faz cada minuto  de leitura valer  a pena! 


Chego ao final dessa resenha pensando: Poxa cara, que louco, que bacana! Graças ao crowdfunding  livros como esse podem existir. Se você não sabe o que é financiamento coletivo, sugiro que leia essa matéria aqui e fique por dentro da parada.

Baixe amostra do livro com ilustrações Aqui e conheça mais sobre o projeto Aqui.

Até a próxima folks!
Postar um comentário