quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Oceano no fim do caminho


Autor: Neil Gaiman
Gênero: Ficção, fantasia, romance
Páginas: 208
Editora: intrinseca


Admito que adiei minha leitura desse livro por um tempo indefinido. E dois anos depois de seu lançamento, dei uma pausa na leitura de nacionais, para finalmente mergulhar sem medo nesse lago.

E, se assim como eu, você curte a ideia de lembranças ensopadas num oceano que cabe num balde, bom, esse é o livro certo para gente. Não poderíamos esperar menos do cara que escreveu títulos como Lugar Nenhum, Deuses Americanos e Filhos de Anansi.

O protagonista da história não tem nome. Ele é um cara que encontra um oceano no fim do caminho toda vez que seu coração não vai bem. Ele procura a fazenda das Hempstock, a mais antiga do condado. Desde sempre. Ele só não se lembra disso com frequência.

Um homem, quase no auge de sua meia idade, precisa voltar ao lugar onde passou a infância e boa parte da adolescência, para comparecer a um funeral. No meio do caminho, perdido em meio a lembranças de uma época remota, passa na fazenda das Hempstock. Lá ele senta num banco na frente de um lago e sua mente volta quarenta anos no tempo.

 De maneira gradativa, o homem passa a rememorar sua infância e as coisas fantásticas pelas quais passou e que, de alguma maneira, receberam uma explicação adulta e real. Mas nem sempre as coisas são da forma que achamos que lembramos. As coisas tem mais cores. Mais medo e mais morte, por assim dizer.

As lembranças podem ter mais nomes também, e no caso da história desse livro é Ursula Monkton, a babá mais cruel que uma criança de sete anos poderia sonhar. Ursula, um ser, digamos, sobrenatural, se disfarça de humana e faz com que o pior lado da família do garoto, desperte. Claro que ela não foi parar lá assim, aleatoriamente. E não vai ser fácil travar uma batalha para devolver esse ser milenar à sua dimensão.

Mistério, uma ponta de horror e aventura permeiam o livro, que é assim, bem fininho. Sou apaixonada pelo trabalho de Gaiman, que conheci na adolescência, com os quadrinhos de Sandman.

O oceano no fim do caminho essencialmente É: As coisas são o que são e são também muito mais do que pensamos. Você já viu um lençol que saiu voando do varal? Bom, esse livro é isso: um lençol rosa e cinza todo costurado com retalhos de lembranças que não conseguimos processar.

Gaiman é um cara que leio toda vez que preciso mergulhar fundo no poço das coisas não ditas, mas que fazem todo o sentido, como esse livro por exemplo.


Até a próxima folks! ;)
Postar um comentário