quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Anardeus no calor da destruição

Autor: Walter Tierno
Gênero: Fantasia urbana, Romance
Páginas: 181
Editora: Giz Editorial

O livro é narrado em primeira pessoa. A pessoa de Anardeus. Mas conforme os capítulos vão avançando, conhecemos Isabel por ela mesma e um outro personagem, o Fotógrafo (não necessariamente nessa ordem). Isso mesmo, fotógrafo com F maiúsculo, porque eu nunca lembro o nome dele e ficou marcado assim em minha memória.

Anardeus é um cara extremamente feio e que sente muito, muito frio não importa o quão quente esteja, sempre anda por aí vestido com muitas camadas de roupa da cabeça aos pés. Ele tem uma irmã gêmea que é seu extremo oposto em muitos aspectos, alguns inclusive, são revelados apenas perto do fim do livro.

O subtítulo “ No calor da destruição” não é apenas uma alegoria chamativa. Anardeus só sente calor quando presencia desastres. E assim como uma droga precisa de quantidades cada vez maiores para surtir efeito, Anardeus precisará de desastres cada vez maiores para se manter aquecido. E é dessa maneira que São Paulo encontrará um apocalipse digno dos filmes de fim do mundo. Genial. 

A história vai se desenvolvendo numa viagem inconstante entre passado e presente de uma forma muito dinâmica, sem marcações precisas.

Antes de chegar à vigésima página, me senti a vontade com o formato de roteiro do livro. 
Anardeus inteiro é bem teatral, não só no seu formato, mas em como os personagens são explorados e também na forma como as cenas se montam e desenham.
Simplesmente pirei nas ilustrações e no projeto gráfico do livro, desenvolvidos pelo próprio autor.

Um romance de apenas 181 páginas extremamente bem escrito, com o tanto certo de informação para o leitor saber onde está e mesmo assim continuar andando.

Anardeus é o segundo livro do escritor Walter Tierno (de quem eu sou fã e isso não é segredo para ninguém) e é uma leitura que por mais que eu tenha feito pelos menos umas três vezes, nunca soube como fazer uma resenha dele. Até agora.

Primeiro porque as palavras faltam e sobram apenas o palavrões.

Segundo porque a viagem desse livro é tão intensa que toda vez que eu leio, demoro uns dias para voltar. Sim, a história é chocante sob diversos pontos de vista.

Terceiro: os acontecimentos desenvolvidos na narrativa se entrelaçam e costuram os nós num cenário de caos, destruição e amoralidade.

E depois de tudo isso vem a pergunta inevitável: Nossa Dany, e você gosta desse livro mesmo assim?

Claro ué! Anardeus é chocante, cáustico, cru. Uma metralhadora destruidora de conceitos. E livro bom é assim: ele tem que te arrancar do óbvio, te confrontar. Arrancar de si uma sensação, um choque. Te levar para a beira do abismo e te fazer se perguntar, questionar o mundo e as regras. Te fazer pensar.

Fecho essa resenha com a frase final do texto de contra-capa do livro:

“(...) Um romance sem rótulo ou lugar-comum, para ler e sentir tudo ― menos indiferença.”
Postar um comentário