domingo, 13 de novembro de 2016

Magnus Chase e os Deuses de Asgard - O Martelo de Thor

Autor: Rick Riordan
Gênero: Fantasia, Mitologia e Aventura.
Páginas: 400
Editora: Intrínseca

Seis semanas após os acontecimentos de A Espada do Verão, Magnus Chase está começando a se acostumar com a sua rotina de vida-pós-morte quando novamente o mundo começa a ser ameaçado por Loki.

Segundo volume da série, Rick Riordan repete sua fórmula de sucesso com os deuses nórdicos.


Adaptando-se a seus dias com os amigos treinando para o Ragnarok, Magnus nem acha mais tão ruim o fato de estar morto. Já Samirah, a Valkíria está enfrentando uma série de problemas com seus país e seu noivo prometido Amir. 

Logo no começo somos apresentados a um nov@ semi deus, o único a morrer e entrar no Vahalla aquele dia e também um filh@ de Loki assim como Samirah.

A diferença é que Alex di Fierro não é apenas filh@ de Loki, como usa amplamente seus poderes de metamorfose podendo se transformar em qualquer coisa. Alex também é de gênero fluído. Tendo sua personalidade alternada durante o livro entre menina ou menino. 

Alex é um dos melhores personagens do livro, além de abordar a sexualidade de forma natural, el@ tem uma personalidade extremamente marcante, decidida e é impossível não se apaixonar e torcer.

Como sempre temos o time de amigos de Magnus: o anão Blitzen e o elfo Hearth. Aprofundamos também o conhecimento sobre o mundo dos elfos com uma visita que eles fazem por lá.

Neste livro o autor se baseou claramente em um dos mitos clássicos: O roubo do martelo de Thor.

No mito original, Loki recupera o martelo dos gigantes pedindo-o como dote de casamento. A noiva: Thor disfarçado. Sim, dá certo este plano louco.

Na versão de Rick Riordan, praticamente temos um remake: Thor perdeu seu martelo, um gigante achou e Loki ofereceu uma noiva em troca dele. A diferença é que desta vez a noiva é sua filha Samirah.

A partir dai temos a correria: Recuperar o martelo, impedir o casamento e qualquer plano subversivo de Loki que possa estar oculto.

Temos todos os elementos do livro anterior: humor, aventura e situações inusitadas com desfechos imprevisíveis. Também somos apresentados a novos deuses nórdicos e até rola um fanservice indicando um possível crossover entre o universo de Magnus e Percy Jackson. 

Recomendo o livro para todos que quiserem uma leitura divertida, descompromissada e possíveis fãs de cultura nórdica.

Mais informações sobre o universo: http://www.intrinseca.com.br/omartelodethor/
Postar um comentário