quinta-feira, 7 de abril de 2016

The Knick

Curte séries médicas como House, Greys Anatomy e Chicago Med? 

Então você vai adorar The Knick.

Pensou em todas estas séries médicas com hospitais branquinhos e esterilizados, então esqueça.
The Knickbocker é um hospital sim, mas em 1900.
A maioria dos equipamentos e técnicas médicas usadas hoje em dia não foi criada e muitas das doenças que hoje em dia são prevenidas com vacinas, ainda são grandes problemas. Em meio a tudo isto conhecemos nosso protagonista: Dr. John Thackery (Clive Owen) e sua equipe.

Nova York esta passando pela revolução industrial, as carruagens estão começando a ser substituídas timidamente pelos automóveis e ainda existem diversos problemas sociais como o preconceito aos negros e mulheres.

A série tem atualmente duas temporadas e está já renovada para a terceira, é exibida pelo canal Cinemax e tem produção da HBO.

Thackery não é um médico convencional, ele chega a ser obsessivo quando está determinado a encontrar novas técnicas ou procedimentos. E não hesita em testar seus procedimentos em cirurgias públicas. Pratica recorrente na época, na qual se demonstram os procedimentos e seus resultados. Logo no primeiro episódio vemos o que seria um protótipo de uma cesariana. 
Thackery só tem um problema: seu mentor o viciou no uso de cocaína. 





Na época ainda não declarada como uma droga ilegal, a substância era vendida em farmácias e administrada como sedativo para os pacientes. Thackery usava para conseguir ficar "mais atento", conforme os capítulos passam vemos que o que era um "aditivo" passa a ser seu veneno e possível queda ao se tornar um vício.

Além da discussão das drogas e preconceito, a serie desenvolve um interessante debate ético sobre as praticas médicas. Até onde alguém pode interferir no corpo de outra pessoa para testar algo?  E se isto pode salvar vidas, deveria ser impedido?

O preconceito racial fica marcante pelo personagem do Dr. Edwards (Andre Holland), o único médico negro a trabalhar no The Knick, ele é um brilhante cirurgião que no entanto fica segregado a atuar nas áreas mais reclusas no hospital, porque não apenas os outros médicos não o respeitam como os próprios pacientes não querem receber seu tratamento.




O preconceito contra a mulher é notado pelas personagens de Cornelia (Juliet Rylance), filha do dono do hospital e interessada em trabalhar lá, no entanto tem que se casar obrigatoriamente com seu prometido.
A freira Harriet (Cara Seymour) que faz abortos (sim, abortos) pela falta de métodos preventivos de gravidez na época o que leva a muitas mortes de recém nascido em clínicas clandestinas por procedimentos inadequados. Além de ter o debate direto sobre o tema com a igreja.

E temos a Lucy (Eve Hewson), enfermeira do The Knick que a cada episódio fica mais fascinada pelo Dr. Thackery e com o tempo se interessa em medicina, mesmo não existindo médicas mulheres na época.

Você deve estar pensando agora: Porque eu vou assistir está série? Só tem problemas.

Sim, é um drama. Um drama magnifico.

Clive Owen está perfeito em seu papel, e a cada episódio você fica mais preso a série, e depois do primeiro você provavelmente não conseguirá mais largar. 

E a medicina? O que dizer de levar uma hora para fazer um exame de Raio X ou da Bayer vender Heroína como tratamento da dependência de cocaína? 

Embora você tenha que fechar ou desviar os olhos nos procedimentos médicos mais agoniantes (afinal é 1900, não tinha nem tubinho de sucção pra tirar o sangue da frente), The Knick é garantia de uma excelente história.



Postar um comentário