segunda-feira, 27 de junho de 2016

Cidades de Dragões

Autor: Rafael Dracon
Gênero: aventura, ação
Páginas: 320
Editora: Fantástica Rocco
Série: Legado Ranger




Em Cidades de Dragões – Legado Ranger II, temos a continuação praticamente imediata do que houve com o grupo de heróis que se uniram no volume I dessa série. Você pode encontrar a resenha bem aqui.

Apesar da misturada toda do volume I, um furo de roteiro (o Spoiler me impede de detalhar isso) e um personagem inútil, posso dizer que a apresentação do universo dessa série funcionou.

Então chegamos ao volume II, com os dragões invadindo nossa dimensão (entenda-se o nosso planeta), destruindo tudo, comendo gente, cuspindo fogo e transformando o estádio do maracanã em farelos. Essas aparições ocorrem em vários pontos do globo, praticamente onde cada ranger está, marcando o retorno dos rangers  que estavam em cemitérios de dragões no primeiro livro.

Ao voltar para casa, cada ranger acorda em um ponto do planeta com seus braceletes ultra mega inteligentes e interdimensionais. Alguns resolvem usá-lo, outros não.
Na primeira metade do livro, temos os flashes do que aconteceu com cada ranger, intercalados com o depoimento que Derek está prestando para os militares americanos, no melhor estilo dos filmes que a gente está carequinha de ver.
  • ·Daniel, o nipo brasileiro, se tornou um hacker poderoso, capaz de encontrar seus outros amigos onde quer que estivessem.
  • ·Romain, o francês com sérios problemas existenciais, resolveu tomar jeito na vida assumindo sua família e continuando com seu trabalho de super dublê invencível.
  • ·Amber voltou a limpar mesas na Irlanda.
  • ·Derek acordou num acampamento em algum país que eu não lembro e se tornou um justiceiro, resolveu pôr ordem no mundo ele mesmo.
  • ·E Ashanti, que eu tinha gostado tanto no primeiro livro, levantou de volta sua terra, dando dignidade ao seu povo, enquanto desenvolvia uma maneira de voltar ao Cemitério de Dragões para buscar o inútil do seu namorado, mesmo que isso significasse ferrar com a terra toda. Parabéns Ashanti, eu achava que você era inteligente.


Tudo parecia estar no seu lugar para cada um dos rangers, até a chegada dos dragões. Eles precisaram se reunir para combater os seres alados e manda-los de volta para sua dimensão de origem. Bom, pelo menos foi isso o que eu pensei que seria, mas não foi bem assim que aconteceu. Cidades de Dragões pareceu mais um interlúdio entre o primeiro e o terceiro livro da série, sem acontecimentos muito mais relevantes do que a reagrupamento dos rangers.

A leitura nesse livro é mais fluída que a do primeiro volume, em parte porque o grosso do universo e das teorias interdimensionais já foram apresentadas, e em parte por que o foco foi mais nas lutas e em como o mundo “recebeu” a chegada dos rangers.

A narrativa é bem dinâmica, saltando de personagem em personagem até reuni-los. As 320 páginas passaram voando e concluí a leitura em dois dias.
Boa leitura para quem gostou do primeiro livro ou para quem gosta de boas cenas de ação.

Destaque para a passagem de Daniel e Romain pelo Japão e a luta que travam por lá com o filho da bruxa maligna do livro I. Aliás todas as cenas dos dois são bem engraçadas, dando alivio cômico à leitura.


É isso folks! Vou ficando por aqui e até a próxima!
Postar um comentário