quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Dica de leitura Don Drácula

Autor: Osamu Tezuka
Páginas: Média de 230 páginas
Volumes: 3 volumes
Editora: New Pop




“Eu sou o Conde Drácula! Direto do meu castelo envolto pela névoa da Transilvânia… PARA O MUNDO! Don Drácula é um nobre conde da Romênia, que se mudou para o Japão com sua filha Chocola e seu mordomo Igor, sedento pelo sangue de jovens garotas virgens e de novas aventuras!”

Essa é a apresentação da série Don Drácula, lançada pela New Pop em 2015. E esse mangá é mais uma pérola do mestre Tezuka, que usa cenários e personagens no sense para falar de coisa séria.

Conde Drácula “se mudou” para o Japão com sua filha Chocola (que na animação aqui no Brasil recebeu o nome de Sangria) e se mete em várias confusões ao tentar se alimentar do sangue de belas jovens virgens.

O Drácula de Osamu é daquele tipo de personagem que até se esforça para ser odiado e temido (principalmente temido) mas acaba sendo fofo. Talvez ele tenha sido a versão dos anos 70 do meu malvado favorito.


Chocola é uma garota sensível, e convenhamos, o único ser vivo ali que tem um pouco de bom senso.

Igor, o mordomo, é só Igor. Lembra bastante uma paródia de o Corcunda de Notre Dame (tem até uma piadinha parecida com isso no terceiro volume) e sempre faz o possível para resolver as encrencas que Drácula e Chocola arrumam.

No primeiro volume temos praticamente a apresentação dos personagens, inclusive o aparecimento da mãe de Chocola e do professor Helsing, com suas incômodas hemorroidas. A sim, tem a Blonda também, uma mulher meio maluca que vive perseguindo Don Drácula.

No segundo volume temos uma aula de referência: surge o marido de Blonda, Dorian Gray (qualquer semelhança com a obra de Oscar Wilde não é mera coincidência). E uma aventura com homens peixes que me deixou com o coração pesado...

Já o terceiro volume é bem mais pesado que os anteriores, onde Drácula mostra-se ainda mais humano quando se apaixona ou tenta devolver a família de um garotinho que ele flagrou tentando se matar, entre outras coisas tristes, como caçadores tentando matar um filhote de tigre e etc. Não consegui rir muito com o terceiro, simplesmente por sentir que ele foi feito com um pesar velado.

Óbvio que para um leitor moderno, tem muita fala no mangá que passa a quilômetros do politicamente correto, mas se atentarmos ao detalhe de que ele foi escrito em 1979, talvez dê para dar um desconto.

Visitando a Fest Comix de 2015, me deparei com o 1º volume da série e a levei para casa. Quando postei uma foto da nova aquisição no meu perfil do Facebook, o pessoal começou a comentar do anime e foi então que descobri que Don Drácula é mais conhecido no Brasil por sua versão em anime, exibida na TV Manchete nos anos 1980. Bom, eu acompanhei os Cavaleiros do Zodíaco, Yuyu Hakusho, entre outros, mas ainda não tinha nascido na época que Don Drácula foi exibido por aqui.

Acabei tendo acesso aos 10 únicos episódios da série quando o amigo escritor Renato Rodrigues me presenteou com essa relíquia.

No mais, o que posso dizer é: sou fã do pai do mangá (estou montando aos poucos minha coleção do mestre Tezuka), e Don Drácula é uma leitura leve e divertida e que apesar disso, fala de coisas sérias sem perder o charme.

Até a próxima! ;) 
Postar um comentário